Conversa de Mãe com Vivian Abukater — Como conciliar maternidade e trabalho?

A maternidade é um trabalho de cuidado pouco valorizado. Mas ah, como dá trabalho! E se fosse remunerado… Valeria um bom salário. Apesar disso, a realidade é que muitas mães veem sua antiga vida profissional ruir depois de terem filhos, já que sair para trabalhar fora requer, na maioria das vezes, que alguém cuide da criança — e isso custa dinheiro. 

A forma que muitas delas encontraram para driblar a vida familiar com a vida profissional foi empreender. Por isso mesmo, quem participou da terceira live do projeto Conversa de Mãe, apresentado por Chris Flores no Instagram da Brandili no dia 28/06, foi Vivian Abukater, nome à frente do perfil @maternativa, que fala de empreendedorismo materno, e criadora do @compredasmaes, uma vitrine virtual de produtos e serviços criados por mães.

O dilema das mães

Vivian é mãe de dois meninos, de 9 e 6 anos, e acompanha de perto as questões que incomodam a mulher depois de ter filho: se trabalhar fora gera culpa por ficar longe dos pequenos, ficar perto da criança e se ver forçada a abandonar o emprego — ou mesmo ser demitida — gera frustração por não poder exercer a profissão que tanto sentido dá à vida.

Se você está vivendo exatamente essa situação: calma. Não é fácil mesmo, e você não está sozinha nessa zona de desconforto. Primeiro, lembre-se de que você provavelmente já se ocupa muito, cuidando da casa e da família, e possivelmente de algum idoso ou doente da família. Isso já é muito trabalho, só não é remunerado, o chamado trabalho produtivo.

Em nosso blog há um post sobre: Maternidade real, leia e nos ajude a desconstruir os mitos sobre ser mãe. 

A hora da virada

A divisão de tarefas dentro de casa é essencial para se conectar com uma nova visão de trabalho para a mulher. Com a perspectiva da vacina contra o coronavírus chegando, aumenta a esperança em um cotidiano com vida normal fora de casa. Mas, para isso, é preciso que a rotina da família tenha uma organização que conte com a participação de todos que moram nela.

como você lida com as tarefas do dia a dia no trabalho

Para o caso de quem ainda não pode sair de casa, mesmo depois de vacinada, uma saída é vender produtos ou oferecer serviços usando a internet para divulgar seu trabalho. Vivian chama a atenção para o fato de que não é simples apenas ter uma ideia e sair empreendendo.

A mãe que cria um negócio novo se vê tendo que fazer o Instagram, o Twitter, o Facebook, o Linkedin e o Youtube para vender produtos e serviços. Isso pode gerar mais trabalho e sobrecarga. Vivian sugere que o ideal é pensar primeiro no que precisa ser feito: seu perfil no Instagram precisa estar atualizado? 

Então vale primeiro aprender como tirar uma boa foto, ou pensar em como ter regularidade para estar online, por exemplo. “Em muitos casos, as vendas por WhatsApp dão mais resultado se a pessoa conseguir se organizar para responder”, comenta Vivian.

Muitas mulheres mudam de vida depois dos filhos, empreendendo e revolucionando sua área de atuação. Às vezes, ganhando menos, porém, se sentindo útil e produtiva, inclusive na função de mãe. “Seja qual for a saída, é preciso enxergar que você está caminhando para resolver esse dilema da profissão, para retomar o trabalho. 

A dificuldade para trabalhar ou vender, ou para estar regularizada com CNPJ, por exemplo, não é motivo de vergonha. Às vezes a vida pede um tempo a mais”, tranquiliza.

Respire e não se culpe

Lembre-se sempre de que não existe modelo de maternidade correto. Há quem trabalhe fora e pague um cuidador ou escola, e há quem não consiga ter essa estrutura ainda. 

Usar a casa como local de trabalho permite estar perto do filho, e se mostra viável em muitos casos. “Precisamos entender que somos a mãe possível, e que cada uma sabe o valor dos boletos que chegam no fim do mês”, diz Vivian. Além disso, mesmo com a rotina puxada das mamães, é preciso encontrar tempo para relaxar durante a rotina. 

Já notou como as mães têm a tendência de se deixar para trás, de abdicar de tudo por conta da maternidade? Vivian confessa que ela mesma se vê forçada, de vez em quando, a sair desse ciclo, porque sabe que esquecer de si mesma provoca, lá na frente, tristeza. “Mães felizes têm uma condição melhor de promover ambientes saudáveis e felizes para as crianças”, comenta a empreendedora.

A hora de pedir ajuda

Vale ter em mente que pedir ajuda não é sinal de fracasso. Lembra dos almoços de família, em que as mulheres estão sempre dando conta de tudo? 

Vivian usa esse exemplo para mostrar que ter crescido com esse modelo de mulheres sobrecarregadas nos faz acreditar que essa é a normalidade. “Precisamos pedir e até exigir ajuda para podermos ter algum tempo para nós. Não precisamos esperar estar exaustas, e podemos ensinar as crianças desde cedo a dividir tarefas”, diz ela. 

Bruna, diretora de produto da Brandili e mãe do Vicente, de 6 anos, participou da live como convidada. Ela entrou no papo atestando que se identifica com todas as questões levantadas pela dupla inicial: a dificuldade de conciliar maternidade e trabalho

E contou que já ouviu a própria fundadora da Brandili, d. Lili, que já tem mais de 80 anos, dizer que ainda se sente culpada por não ter dado tanta atenção aos filhos, já que se dedicou à empresa.

Bruna também levantou um ponto importante: a cobrança pessoal para dar conta de tudo – ter a casa bem cuidada, a vida com tudo em ordem, a carreira em dia – e, ainda por cima, não se mostrar vulnerável. Melhor pedir ajuda antes de se cansar tanto, certo?

Lembre-se do que você já é

A maternidade é potente: gestar é potente, amamentar é potente – é possível sustentar uma criança por seis meses apenas com esse alimento! 

Cuidar de alguém também é. Ao tornar-se mãe, novas conexões cerebrais são ativadas para que, por exemplo, se consiga identificar pelo choro qual é a necessidade da criança. Além disso, a capacidade de ser empática aumenta. 

É importante entender essa mudança até para encontrar um novo caminho profissional: a mulher já não é a mesma! E entender que, apesar de toda essa mudança, é absolutamente normal querer voltar ao trabalho e gostar de trabalhar. 

Mudança profissional

E então, você está pensando em empreender? A escolha do trabalho é crucial! O que você gosta de fazer importa, mas o que você sabe fazer, também.

Vivian relembra que houve um tempo em que sonhou em abrir uma lavanderia. Por sorte, teve a oportunidade de trabalhar em um estabelecimento como experiência, e descobriu em poucos dias que aquele ramo não tinha nada a ver com ela… Desistiu antes mesmo de começar, o que foi ótimo, pois assim economizou tempo, dinheiro e estresse. 

Outro ponto: tente se aliar a uma sócia que tenha uma capacidade complementar à sua. Se você cozinha e a sócia é boa em vendas, há grandes chances de a dupla dar certo.

Não hesite em mudar de ideia quando perceber que é preciso corrigir a rota, e não desista dos seus sonhos se tiver certeza de que esse é o melhor caminho. “A gente precisa ser feliz e cuidar da autoestima. 

A gente precisa se encontrar. A gente vai errar e acertar, mas o importante é que estamos juntas nessa”, finalizou Chris Flores. “As mães movem o mundo e nós acreditamos nessa força”, completou Vivian.

A repercussão

A live foi um sucesso! Essas conversas sobre o universo das mães trazem acolhimento e clareza. Todas elas estão gravadas no nosso IGTV no Instagram.

Veja abaixo o que algumas seguidoras comentaram durante a transmissão:

camila.campos.paiva
Pra mim foi muito bom estar com vcs

@ritas.abino
Incrível incrível incrível @maternativa

@absonita.oficial
Como está sendo bom ouvir vocês, meu deus. Achava que era só eu que me sentia assim

Escrito por Equipe Brandili

A Brandili é muito mais do que uma fábrica de roupas, é uma empresa que trabalha com amor, carinho e muita dedicação.

Comente!

Assuntos Relacionados