Início » Maternidade » Cueiro de bebê: o que é, para que serve e quantos comprar

Cueiro de bebê: o que é, para que serve e quantos comprar

O cueiro de bebê é como se fosse uma manta, só que é mais fina e leve. Antigamente, ele era uma peça fundamental em todos os enxovais, mas, atualmente, pode ser substituído por fraldas de tecido comuns.

Por ter ficado “sumido” durante tanto tempo, as pessoas mais novas podem não ter ideia do que se trata. Só que, com o sucesso de estilos de vida mais leves e sustentáveis, algumas peças antigas têm voltado a ser usadas. O cueiro é uma delas e já te adiantamos: ele voltou para ficar!

Ficou curiosa sobre esse assunto? Então, fique neste post e entenda o que é, para que serve, as diferenças dele para a manta e quantos cueiros comprar.

O que é cueiro de bebê?

O cueiro de bebê é como se fosse uma mantinha pequena. Porém, é mais fino que uma coberta e um pouco mais grosso do que uma fralda.

Para facilitar o seu entendimento, vamos resumir de um jeito bem fácil: é um pano para fazer um charutinho na meia-estação

Assim como você, nós sabemos como é importante proteger bem a criança. Principalmente quando o assunto é vestir o bebê de acordo com o clima ou para que ele fique bem confortável.

Para isso, existe o cueiro que protege do frio, deixa fofinho e ajuda a fazer dormir.

Parece ser tudo de bom, não é mesmo? Muitas mães de primeira viagem ficam preocupadas com os motivos para usar cada acessório nas crianças. E elas estão mais do que certas em pensar assim!

Afinal, é fundamental ter total conhecimento de tudo que usamos na criação dos nossos filhos.

Dessa maneira, a seguir você vai ver se há mais motivos para usar esse acessório no seu RN. Confira!

Para que serve o cueiro do bebê?

O cueiro serve, principalmente, para enrolar o bebê e acalmá-lo. Contudo, o acessório, na verdade, é um coringa legítimo para se ter na bolsa de qualquer mãe ou pai. Veja algumas das inúmeras utilidades desse pano:

5 bebês envoltos em cueiros coloridos

  • Forrar a cadeirinha do carro;
  • Limpar algumas sujeiras rápidas;
  • Proteger do sol;
  • Cortar um pouco do vento;
  • Manter seco em caso de uma chuva repentina;
  • Alternativa para cobrir uma superfície na hora de trocar fraldas no improviso;
  • Revestir qualquer lugar que o bebê vai se apoiar;
  • Encapar o carrinho;
  • Entre outras.

Quando nós falamos que o cueiro era um coringa no cotidiano dos pais, não estávamos mentindo. Além dessas ideias de uso, você consegue pensar em mais alguma?

Está gostando de tirar suas dúvidas? Então, é hora de aproveitar e ver nossas dicas de como usar roupa social em criança.

Cueiro pode acalmar o bebê?

Em certos casos, sim. Principalmente os recém-nascidos mais agitados. Isso acontece porque o cueiro imita um abraço. Assim, ele passa uma sensação de conforto, aconchego e proteção ao bebê.

bebê dormindo envolto em cueiro

Por esse motivo, quando estão enrolados no charutinho, eles ficam com o aspecto tão calmo.

Qual a diferença de manta e cueiro?

O cueiro é um pouco mais fino que a manta. Além disso, ele pode ser feito em algodão ou com um tecido de fralda, apesar de ser um pouco mais grosso que elas.

Já a mantinha é mais grossa, geralmente um pouco mais felpuda que tecidos flanelados e, às vezes, ela também é maior.

Apesar das diferenças, uma manta mais fina pode ser usada para enrolar o bebê e ser considerada como um cueiro. Assim como o caminho inverso também vale. Ou seja, um cueiro grosso pode ser usado como uma coberta improvisada.

O cueiro e as mantas são uma boa ideia de presente. Além disso, eles podem ser comprados pelos próprios pais. Principalmente com o que for arrecadado em um chá rifa.

Qual o melhor tipo de cueiro?

Os melhores cueiros são os flanelados porque eles entregam mais conforto à criança. Eles podem ter várias estampas e cores, mas o que é mais importante é o fato da criança ficar bem confortável em um acessório assim.

bebê dormindo envolto em cueiro

Em geral, os cueiros são usados durante os primeiros meses de vida. Isto é, quando o bebê ainda é recém-nascido. Por isso, não é tão comum que esses panos sejam encontrados em tamanhos muito grandes.

Contudo, é comum encontrar os acessórios nas medidas 50 x 80 cm ou 100 x 80 cm, que podem se adaptar às suas necessidades.

Por ser um item versátil, ele será usado várias vezes ao longo do período de recém-nascido. Então, pode ser uma boa ideia colocar o cueiro na lista de presentes para charreata.

Quantos cueiros comprar?

Pelo menos, 12 cueiros com tamanhos variados. Como essas peças serão usadas o tempo todo e podem se sujar com frequência, é ideal ter várias reservas. Além disso, o número ideal é calculado conforme a frequência que as roupas são lavadas.

Ou seja, se o intervalo entre cada ida à lavanderia for maior, é preciso ter mais peças.

Ah, e é fundamental que os pais e mães carreguem ao menos dois cueiros consigo, além do que o bebê já está usando. Isto é, leve três panos em cada saída com a criança. Esse número pode aumentar caso o bebê esteja doente ou o clima esteja instável.

Agora você sabe quantas peças comprar e fica sempre preparada. Por isso, já é possível ir pensando em como adaptar os cueiros ao estilo do seu baby. Pensando nisso, por que não combinar as roupas de mãe e filho?

Como você viu, o cueiro é como aquela esponja de aço: tem mil e uma utilidades. Essas peças são usadas principalmente pelos recém-nascidos.

Eles ajudam a dar conforto e a sensação do abraço em uma criança. Por esse motivo, é muito importante ter uma boa quantidade deles no guarda-roupa do bebê.

Por falar em enxoval, é importante que você se prepare bem para a chegada do novo membro da família. Além dos móveis, bolsas e acessórios, é preciso pensar nas vestimentas. Então, veja nosso post e descubra quantas roupas RN comprar!

5/5 - (Total de avaliações: 1)
Compartilhe:
Jefferson Back

Autor: Jefferson Back

Graduado em Publicidade e Propaganda pela Unisociesc Blumenau, atua no universo digital há quase dez anos. Pós-graduando em Neuromarketing e Brandsense pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), é fascinado pelo mundo da comunicação e comportamento humano.

Deixe um comentário