Ingurgitamento mamário: o que é, causas e como tratar

Aconchegar a criança nos braços e fornecer o alimento que ela precisa é um dos momentos mais importantes para o fortalecimento do vínculo entre mãe e filho. Além da proximidade física e emocional que ocorre entre os dois, a amamentação também é vital para a boa saúde materna quando feita corretamente.

Mas lembre-se, não se cobre para amamentar. Esse processo deve ser saudável tanto para a mamãe quanto para o bebê. Cada gravidez é única e repleta de processos individuais.

Após o parto, o corpo da mulher rapidamente se prepara para o aleitamento, certo? Contudo, esse processo natural pode ter certas complicações. A medicina dá o nome de ingurgitamento mamário quando acontece um acúmulo excessivo do leite nos ductos das mamas, causando o empedramento do leite. Por consequência, a mãe passa a sentir dores, enrijecimento dos seios e, em alguns casos, febre.

Você se identificou com essa condição ou está se preparando para receber seu amado neném na família e quer saber como evitá-la? Vamos juntos aprender tudo sobre o ingurgitamento nas mamas com o post completo que o blog da Brandili preparou!

Ao final da leitura, você saberá exatamente o que fazer para prevenir e como tratar esse desconforto durante a amamentação.

O que causa o ingurgitamento mamário?

O ingurgitamento mamário acontece quando o leite produzido se torna viscoso demais e a mulher passa a ter dificuldades para retirar o leite que acumula na região, deixando os seios doloridos e volumosos. Para entender porquê isso acontece, vamos recapitular como ocorre o processo de descida do leite!

O aumento no tamanho dos seios é considerado normal quando a mulher dá à luz, não é mesmo? Afinal, há uma grande quantidade de leite armazenada ali e o fluxo sanguíneo e linfático passam a circular pela região das mamas e das axilas com mais frequência.

Todo esse processo é regulado pelos hormônios que o corpo feminino passa a produzir depois do parto. Quando a amamentação não é eficiente, há transformação molecular do leite, alterando a sua viscosidade nas duas mamas ou apenas em uma.

Geralmente, o desconforto sentido pela mãe passa a ocorrer entre o segundo e o décimo quarto dia a partir da data do parto.

Quando nos referimos sobre a retirada ineficaz do leite, queremos dizer que o ingurgitamento mamário pode ser provocado pelas seguintes situações:

  • Postergar com frequência a amamentação do recém-nascido;
  • Práticas de técnicas incorretas para incentivar a sucção do leite pela criança;
  • Necessidade de afastamento da mãe e do bebê devido a doenças ou outras restrições;
  • Cirurgia plástica de aumento das mamas realizada antes da gravidez;
  • Produção de leite acima do que é considerado normal;
  • Uso de suplementos alimentares que aumentam a produção de leite.

Como resultado, o ingurgitamento mamário pode se apresentar sob diversos sintomas como mamas doloridas, volumosas e duras, mamilos achatados, pele brilhante e vermelhidão dos seios, febre e vazamento de leite fora do horário da amamentação.

Como tratar o ingurgitamento mamário?

Apesar da dificuldade e dor que a mãe sentirá ao estimular a retirada do leite empedrado, a melhor maneira de tratar o ingurgitamento mamário está no constante esvaziamento da mama. Assim, a sensibilidade na região dos seios diminui, alivia-se o desconforto e a próxima amamentação será mais fácil de ser realizada.

Há diversos métodos que são importantes para que o aleitamento materno seja feito da melhor maneira, trazendo benefícios tanto para o bebê quanto para a mãe. Confira as terapias mais indicadas pela Sociedade Brasileira de Pediatria que você pode fazer ou sugerir para a amiga que está passando por esse delicado momento!

Compressas

Você sabia que as compressas podem ser grandes aliadas das mulheres? Aplicadas antes e depois da amamentação, elas são técnicas rápidas e fáceis de executar. As compressas quentes facilitam a absorção do hormônio responsável pela amamentação, a ocitocina, quando feitas antes da amamentação.

Já as compressas frias ajudam na vasoconstrição, diminuindo o fluxo de sangue da pele e gerando o efeito calmante quando aplicadas após o aleitamento.

Massagem na mama

O método popular tem comprovação científica e também é um hábito que promove o autoconhecimento do corpo materno durante uma fase de grandes transformações. Ao massagear suavemente as mamas antes e durante o aleitamento, a mãe induz a saída do leite com maior facilidade e reduz as dores provocadas pelo ingurgitamento mamário.

Bombas de extração de leite

Quando a amamentação natural não for uma opção, o uso de bombas de extração de leite é de grande ajuda para diminuir o volume de leite na mama. O achatamento dos mamilos provocado pelo ingurgitamento dificulta a pega da mama pelo neném. Como solução, você pode retirar o leite manualmente ou utilizar a bomba de extração para oferecer ao recém-nascido, estimulando-o a fazer o movimento de sucção no seio da mãe.

Como prevenir o acúmulo de leite nas mamas?

A condição clínica do ingurgitamento mamário pode ser evitada com a criação de certos cuidados que serão valiosos no cotidiano da nova mamãe! Dentre eles, temos:

  • Começar a rotina de amamentação logo nos primeiros dias do recém-nascido;
  • Dar o intervalo de até 3 horas entre cada aleitamento;
  • Evitar o uso de sutiã, mas se fizer questão, prefira os modelos sem armação e bojo.

Diferenças entre ingurgitamento e mastite

De modo geral, podemos entender que o ingurgitamento materno é uma condição natural das mamas quando o leite armazenado se solidifica, ou seja, “empedra”. Já a mastite é uma inflamação dos tecidos mamários que pode ser resultado de diferentes causas, como infecção por bactéria ou pelo ingurgitamento mamário que não foi tratado.

Quando a mulher é diagnosticada com mastite, o tratamento é feito o quanto antes com analgésicos e supervisão médica para que a inflamação das áreas afetadas não evolua para um quadro clínico mais grave. A vermelhidão e as dores provocadas pela mastite geralmente aparecem em dois dias e afetam uma das mamas.

Como parar a rotina de amamentação?

Após a mulher vencer as dificuldades do ingurgitamento mamário e estabelecer um cotidiano saudável de amamentação, o processo de desmame é a próxima etapa da maternidade que requer muita atenção com os seios.

Porém, não há motivos para se preocupar! Quando o procedimento de secar o leite materno é feito com cuidado, seu corpo irá reagir naturalmente para se adaptar a essa nova rotina.

Seguindo a orientação do seu médico, o momento do desmame requer calma e paciência da mãe. Além disso, ela precisa estar atenta a qualquer tipo de alteração na sensibilidade e aparências das mamas, como pele avermelhada ou com fissuras. O passo a passo para que o corpo da mulher pare de produzir leite pode ser resumido em três etapas:

  • Não voltar a amamentar depois que der início ao processo de secagem;
  • Diminuir aos poucos os horários de amamentação da criança começando pelo horários durante o dia e deixando a mamada da manhã e da noite como as últimas a retirar da rotina;
  • Não utilizar mais bombas de extração;
  • Fazer compressas frias nos seios durante 15 minutos e de 3 a 6 vezes por dia.

Lembre-se de que é sempre recomendável procurar ajuda médica para verificar a necessidade de usar medicamentos que auxiliem nesse processo.

Curtiu o tema de hoje? Pois saiba que o blog da Brandili tem conteúdos atualizados sobre o mundo da maternidade e dicas de moda infantil que vão tornar o seu cotidiano materno mais leve e tranquilo!

Escrito por Equipe Brandili

A Brandili é muito mais do que uma fábrica de roupas, é uma empresa que trabalha com amor, carinho e muita dedicação.

Comente!